CLICK HERE FOR THOUSANDS OF FREE BLOGGER TEMPLATES »

julho 30, 2006

no more miss nice girl - The End -




Mais um ciclo neste blog. Mais um spin around, um twist, um kick on the wild side ou então, simplesmente apagaram-se as luzes. E as coisas ficam mais causticas, acutilantes, mais intensas e sombrias. É o fim.

Este será o último post como Avalone.
Por agora que tal pensaram numa Avalone mais sombria, darker. Para a despedida deste blog, num último post.

Mas é-me impossível continuar a ser a mesma. Estou farta de ser a miúda, a mulher - o que quiserem – que tenta sempre encorajar os outros, e outras coisas mais que não me apetece enumerar. Sinto um humor negro voraz, que me preenche e que me faz rir do disparate, do ridículo, do engano que é a vida. E que no fundo, não adianta mesmo tentarmos ser felizes porque de um momento para o outro, num tempo de um sopro… Fffsssssss Crash and Burn.

Eu não sei o que é pior, ou melhor, o que custa mais ou menos, se ver os problemas a chegar, sentir que o barco está a abanar ou se é ver o foguetão explodir assim que atinge a órbita e sem oportunidade para gritar: Vénus We´ve a problem!

A vida é de facto um engano. Quem me o disse foi uma velhota de 87 anos, costumava cruzar-me com ela quando passeava o Morgan na rua. No final de uma conversa sem pressa, disse-me “A Vida é um engano”… é sim senhora.
Não abdico da minha responsabilidade nesse engano, no engano que é a minha vida. Mas na volta é isso mesmo, nós só cá andamos para nos enganar… Enganar de que podemos ser felizes, acima de tudo começa pelo engano de que merecemos ser felizes.

A felicidade é uma secreção no nosso cérebro. Estimulem-na com um comprimido qualquer e estarem estáticos a olhar para uma árvore poderá ser o momento mais feliz da vossa vida. Reprimam-no com um outro comprimido qualquer e o vosso momento mais feliz não teria existido.

Que tal então deixar-nos destas tretas de amor?
Ou porque só isso me faz feliz, ou porque só assim consigo viver, ou porque preciso de algo para viver… Balelas. Eu vivo quer eu queira quer não. Eu vivo sozinha ou acompanhada. Já vimos que a felicidade é um engano. Não há felicidade. È uma utopia, uma cenoura à frente do nariz de um burro.

Recuso-me, desisto.
Acima de tudo perdi.

Eu tinha um livro que adorei durante muito tempo. Um livro que me acompanhou desde de muito cedo e até muito tarde. Os mais belos contos de fadas. Era um livro de capa vermelha, dura, um livro de contos de fadas dos mais diversos autores. O conto das 12 princesinhas, Rapuzel, Rumplesilstik… tantos e tão deliciosos.

A verdade é de que sinto-me como uma personagem desse livro. Seria muito romântico e holístico dizer que me vejo como uma princesa que foi colocada num pedestal de gelo, por sua livre vontade, fruto de um desgosto de amor. Ainda com uma réstia de esperança, um pedacinho brilhante do seu coração despedaçado. BANG BANG
Não!

Não. Simplesmente fiquei gelada. Não há coração despedaçado, a sangrar, sofrido, blá, blá blá e a treta do costume. Há gelo. Gelo gelado, daquele azul pálido, cor intensa, gelo profundo pois não há mais vermelho, mais nada. Nem memórias, nem esperanças, nem dor, nem choque, sonhos caídos por enregelamento. Não há nada. Nada.

Dark and Frozen … é como me sinto.
E é Dark e Frozen que me vão ter.

A dada altura da vida deste blog, alguém me disse que a razão pela qual as pessoas me julgavam ou me mandavam bocas, era por causa deste blog. Porque eu me expunha em demasia. Eu acredito que sim, aliás eu sei que sim. Embora pense que isso é completamente estúpido, porque seria o mesmo que uma mulher foi violada porque andava de mini-saia.

Este blog foi criando com um propósito, fazer a minha transição de Londres para Portugal. È a escrever que eu melhor faço as minhas catarses e por ter a mania de que escrevo alguma coisa, decidi criar o blog. Eu sempre pertenci a maillings lists, ainda não havia blogs e forúms e era por email mesmo que o pessoal discutia assuntos e estados de espírito. Como nunca quis me impor às pessoas, criei o blog para dar a opção às pessoas.
Mas sempre foi um espaço pessoal, por isso nunca pensei que todos o fossem perceber, entender…

Poucas pessoas perceberam o drama que foi para mim passar de uma sociedade organizada, participativa e mesmo assim individualista, de uma sociedade aberta e balançada, para uma sociedade como a portuguesa. Não renego o meu país ou a minha nacionalidade, mas tenho todo o direito de criticar o meu país e a mentalidade do português. Do que poderiam ser feito, do que não fizemos e do que ainda não começamos a fazer.
Custa transferir de pais, uma vida que estava a começar a dar frutos de um esforço gradual. Amizades sólidas, um emprego bom, independência, liberdade de ser e estar…

Quando faço uma sinopse aos primeiros 12 meses pós Londres – Maio de 2004 –, franzo o sobrolho a certas situações. O meu primeiro pensamento é Ouch, mas depois vejo que fiz o melhor que sabia na altura.
Às vezes a ideia que tenho de mim própria nessa altura é a de um touro e entrar desvairado dentro da arena. Há procura de um sítio onde se sinta confortável, de uma forma desesperada!

A vida, claro, é assim mesmo.
Existem momentos mais exigentes do que outros. Na certeza porem, assim que virmos as coisas a estabilizarem, temos que nos preparar para o remoinho que se lhe segue. Porque a vida, não só é um engano como é uma brincadeira de muito mau gosto.
Parece um jogo de dá e tira.

E tiram porquê?
Acaso sou assim tão não merecedora de ser feliz, de ser, de viver, de ter?
É por ser boa menina? Demasiadamente boa menina?

E as dúvidas apoderam-se, as inseguranças agudizam-se e os filtros … desta vez nem tiveram tempo de se activarem … tudo ficou coberto por uma escuridão gelada, um vazio negro numa lenta sucção.

Não há nada que possa ouvir, que possa saber ou que possa sentir para deixar de me sentir, como me sinto. Eu conheço muitas máximas de como ser feliz, o bla bla do costume sobre como ultrapassar momentos difíceis, a lenga lenga da auto estima, o rebéu béu do poder da mente e os pardais ao ninho da esperança.
Eu sei tudo isso de cor, graduei-me em cada uma delas, tenho pilhas de livros e t-shirts para o provar.

Hoje conduzi o carro até St.André. Fui depois de almoço e voltei ao final da tarde.
Conduzir longas distâncias tem para mim um efeito terapêutico. È nestas alturas que escolho as estradas secundárias e utilizo a auto estrada só no regresso, quando a cabeça está mais organizada.
Há uma estrada que eu simplesmente adoro de fazer. O caminho de Tróia a St. André. A estrada vazia, pinheiros de ambos os lados, um céu azul forte, casas antigas … Adoro. E hoje, mais uma vez, esta estrada teve o seu impacto. Perdi-me algures por lá, porque quando cheguei a St.André eu estava dark and frozen.

Tudo acontece por alguma razão. Costumava acreditar de que as pessoas encontravam-se por alguma razão. De que aprendíamos sempre algo nas relações com os outros. SLAP SLAP isso é tudo um grande disparate.
Que aprendi eu agora?
Eu já sabia que não era perfeita!
Que quando se fala de um dia para o outro, pode ser mesmo de um dia para o outro?
Ahhhhh ... Apreendi... Que um dia nós somos felizes e no dia a seguir... o mais triste…
Um dia temos os braços cheios de amor, no dia a seguir nós estamos nos braços do vazio.
Aprendi.

Com este post, termina este blog.
Não sei o que vai acontecer em termos bloguisticos. Não me apetece mais tentar explicar-me, expor o que sinto ou se quer tentar fazer sentido daquilo que sinto.
Não sei o que vou fazer com o meu tempo, se vou querer fazer alguma coisa, ou quando o vou querer. Não interessa.

Fim

13 comentários:

Anónimo disse...

É triste...pode ser que seja só um momento. Um grande sorriso e amanhã será outro dia. Um beijinho.

Anónimo disse...

É sempre preferível sentir algo a não sentir nada! As emoções boas e más fazem parte da vida e a meu ver não podemos deixar de as ter… são necessárias para o nosso equilíbrio.
É importante sentir que somos amadas e desejadas e termos iguais sentimentos por alguém...por pouco que durem.

Vestir o fato da insensibilidade é tirar à vida sentido!

Não deixes de acreditar em ti e nos teus sonhos!

Li

Anónimo disse...

Tenho pena!!Gostava de vir aqui ler as tuas coisas.Identifico-me com muito do que dizes.E,embora não te conheça,pareces uma pessoa cheia de fibra e energia.
No fundo,no fundo...somos todos sozinhos!!
Mas,não há noite tão longa que não traga a madrugada!!Temos de acreditar...
Saudações cordiais
Ladylove...Anabela

Anónimo disse...

...subscrevo as anteriores !..."tudo é verdadeiro, até a ilusão!".
Que amanhã seja um dia melhor para ti e não te esqueças que a kulpa também é dos outros, não só tua - portanto podes continuar a acreditar em ti e naqueles que em ti acreditam. saudações, a vida não é uma baleia!

Anónimo disse...

É melhor começares a viver a vida de forma real e deixares a ilusão do que gostarias de ser ou mostrar aos outros para segundo plano.

Só quando mostramos a nós próprios o que valemos é que realmente se pode construir a base que agora te está a faltar para enfrentar o mundo com naturalidade e firmeza.

Vive a tua vida e faz o melhor que poderes por ela e por ti. Bjs

Anónimo disse...

É melhor começares a viver a vida de forma real e deixares a ilusão do que gostarias de ser ou mostrar aos outros para segundo plano.

Só quando mostramos a nós próprios o que valemos é que realmente se pode construir a base que agora te está a faltar para enfrentar o mundo com naturalidade e firmeza.

Vive a tua vida e faz o melhor que poderes por ela e por ti. Bjs

T disse...

Não são estas as melhores alturas para uma pessoa auto analisar-se.

Escreve sobre o que quiseres, como quiseres, mas não pares de escrever. Cá em casa gostamos de ler-te, ainda bem que tens a coragem para expôr assim os teus sentimentos.

Não somos perfeitos, erramos, mas pelo que se lê nas entrelinhas deste blog, tu tens dentro de ti a firmeza para saires desta situação.

Bjinho
T

Anónimo disse...

hei girl don´t be sad...life is beautiful even when it's dark and frozen inside...coloka-te debaixo deste xol d verão e derrete exe bloko d gelo todo...
You're beautiful, precious, unique like everybody else, so don't ever mind what they say they only mean to hurt you...Escuta: "kem fala bem é pq gosta d ti kem fala mal é pq te inveja!" N tenhas ilusões avalone, qd falam mal d ti, nunca é pra t melhorares enkuanto pexoa (as if they care) é pra t fazerem xentir mal ctg mxm, i know i've been around, eu conhexo exes abutres da autoestima ...so don't let them ok? kisses!

pikinina

legna disse...

...li as tuas palavras... e voltei a ler várias vezes... e tocaram-me muito... talvez pq neste momento me identifico bastante com este estado de espírito!
gostaria de te deixar algumas palavras bonitas e reconfortantes, mas n consigo... a minha "energia" desapareceu... tou demasiado "dark and frozen" & lost... desiludida mm! Talvez um dia ela volte...
Tu tens uma excelente capacidade de expressão... gostaria de conseguir escrever o q sinto, talvez ajudásse a aliviar... ou talvez não!
Até um dia...

Avalone disse...

Legna... só tens que te encontrar de novo e para isso fazes o que tens que fazer.

Obrigada pela tua generosidade
Helena

legna disse...

avalone... obrigada pelas tuas palavras... foram muito mais do que apenas "palavras"!
:) até..

Anónimo disse...

Best regards from NY! »

Anónimo disse...

What a great site here